• Home
  • /Mercado
  • /Descubra 10 tendências para e-commerce em 2017

Descubra 10 tendências para e-commerce em 2017

tendencias

Por mais que 2016 tenha sido conturbado pelo viés político e até econômico, o comércio eletrônico é um setor que não tem muito do que se queixar. Os números seguem apresentando resultados positivos em termos de crescimento, o que faz gestores e diretores de lojas virtuais se atentarem às tendências para e-commerce em 2017.

Antes de falarmos delas, é bom trazermos alguns dados que ilustram esse cenário animador para o comércio eletrônico. São eles:

  • Em 2016 o crescimento foi de 11%, mesmo frente a crise que resultou em retração da economia.
  • Para 2017 especialistas esperam crescimento superior a 10% para 2017.
  • na Black Friday 2016, aqui no Brasil, o faturamento total foi de R$ 1,9 bilhão, o que retrata um aumento de 17% em relação à mesma data em 2015. Os dados são da E-bit e divulgados pelo site Profissional de E-commerce.

Agora que você comprovou a boa fase do e-commerce, que tal conferir as tendências que prometem manter ou impulsionar esse crescimento? Então veja as 10 que selecionamos para este post!

1. Inbound marketing

Cada vez mais o custo de mídia sobe no Brasil afetando diretamente o ROI das campanhas e o custo de marketing da loja virtual. Com isso, os e-commerces estão buscando cada vez mais estratégias diferentes das tradicionais, que envolvam menores custos.

O Inbound marketing não é novidade nesse âmbito digital. A diferença é que, para 2017, os e-commerces deverão fazer mais uso dessa metodologia que, a princípio, parecia não ser tão apropriada para o comércio eletrônico. Afinal, uma estratégia de prospecção passiva e de conversão mais demorada não demonstrava ser tão atrativa para as lojas virtuais, que precisam vender a todo momento.

No entanto, os e-commerces perceberam que as vantagens do Inbound marketing são mais interessantes. Algumas delas são a construção de autoridade em sua área de atuação, a conquista de divulgadores espontâneos para a sua marca e o menor custo de aquisição de clientes.

O Inbound marketing consolidará um período em que os clientes são conquistados, educados e engajados pelas empresas. Tudo isso graças a uma abordagem baseada na atração de consumidores por meio de conteúdos úteis e valiosos.

Por mais que seja uma estratégia de médio e longo prazo, os benefícios são grandes já que aumenta o tráfego orgânico total e atua diretamente para atrair o público alvo comprador, aumentando a conversão.

2. Chatbots

Os chatbots estão diretamente ligados ao conceito de comércio conversacional. Esse método se baseia no uso de aplicativos de troca de mensagens para atender os clientes e realizar vendas.

Os pequenos robôs (daí vem o nome bot) que gerenciam conversas com o público (chat) utilizam apps como o Facebook Messenger, Twitter e Telegram para automatizar esses diálogos. Os bots podem ser realizar tarefas simples, como solucionar pequenas dúvidas do público, e atividades mais complexas, como a oferta de produtos e a conclusão de uma venda.

Esse último exemplo é possível graças à inteligência artificial dos chatbots. Dependendo de sua configuração, eles podem analisar o histórico de relacionamento do cliente com a empresa e identificar padrões de comportamento no público.

Com a entrada desses novos dispositivos, é possível diminuir os custos de operação e também aumentar o nível de satisfação do cliente, já que o atendimento é feito rápido sem nenhuma espera por um atendente.

3. Mobile First

O Mobile First é um conceito que prega o planejamento e desenvolvimento de projetos web pensando primeiro nos dispositivos móveis e depois nos desktops. Não se trata bem de uma revolução na maneira de pensar, mas sim de uma adaptação às tendências de comportamento e consumo dos usuários.

Para você ter uma noção, a participação do mobile (smartphones e tablets) no faturamento do e-commerce na última Black Friday foi de quase 20%. Em 2015, ano com maior índice até então, a fatia não passou dos 8,7%, segundo a E-bit.

Isso sem contar que o celular se tornou o meio de acesso à internet mais usado pelas famílias brasileiras, superando, pela primeira vez, os desktops — segundo o último levantamento feito pela PNAD (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) e divulgado pelo IBGE.

Então, a atenção dada aos dispositivos móveis pelos e-commerces será cada vez maior, especialmente em relação à experiência móvel do usuário.

4. Aplicativos mobile

Se falássemos que os aplicativos que funcionam como lojas são as tendências, estaríamos bem atrasados no tempo. Afinal, os principais players já possuem seus próprios apps de venda.

Mas a dica aqui não tem a ver como reproduções de lojas virtuais. Nossa ideia é levantar a possibilidade de os e-commerces investirem em aplicativos mobile com outros intuitos, como entreter, interagir e promover o relacionamento entre os clientes.

Sua empresa pode ter um app, por exemplo, para os clientes gerenciarem seu cadastro em seu programa de fidelidade, outro com algum game para melhorar o engajamento com o público ou um com uma comunidade de clientes de um produto popular da sua loja. Enfim, abuse da criatividade para expandir a experiência com os consumidores mais conectados em dispositivos móveis.

5. Inteligência artificial

Para que as lojas virtuais tenham uma operação cada vez mais otimizada e eficiente, os softwares e plataformas de IA devem ser adotados com mais frequência em 2017. A ideia é, com isso, reduzir custos e erros passíveis de serem cometidos pelas falhas humanas.

Entre os inúmeros processos que podem ser automatizados sem perder a qualidade, estão:

  • a precificação, levando em consideração os custos, a formação de preço e a demanda atual por algum prodiuto;
  • a previsão de comportamentos dos clientes, verificando automaticamente os itens com maior visualização e conversão;
  • a gestão de inventários, prevendo a necessidade de abastecimento e de crescimento de vendas de algum item;
  • a detecção de fraudes, diminuindo os riscos para os lojistas;
  • algumas ações de marketing, como retargeting, por exemplo, automatizando e atuando diretamente com o público alvo;
  • a recomendação de produtos para os clientes, trazendo mais informações para segmentar ainda mais as ofertas durante a navegação.

6. Integração com marketplace

Essa é uma tendência voltada para donos de pequenos e médios e-commerces que precisam de mais visibilidade e estrutura sem precisar investir muito para isso.

Para eles, a integração com os famosos marketplaces, como Americanas.com, Casas Bahia e Walmart, é uma solução interessante. Já que essas lojas são responsáveis por todo o trabalho mais pesado, como a manutenção do site, a gestão dos meios de pagamento e análise de fraudes.

Se o seu negócio virtual ainda está em uma fase inicial, se integrar a um marketplace pode ser uma forma interessante de dar uma primeira escala às suas vendas. Em geral, os custos de comissionamento são muito menores do que gerar uma venda diretamente gerando tráfego, pagando cartão e anti fraude.

Alguns lojistas, além de aumentar sua margem de contribuição, aumentam as vendas em até 75% após se integrarem com esse canal.

7. Se tornar um marketplace

Agora, caso o seu negócio seja grande e consolidado, um caminho interessante pode ser a transformação do seu e-commerce em um marketplace.

Nesse caso, outras lojas entrantes, pequenas e médias poderiam aproveitar da sua estrutura para se promoverem. Com isso, sua empresa passa a faturar, também, com as comissões de vendas efetuadas por outros e-commerces. Essa é uma estratégia que pode aumentar a sua margem conforme comprado em estudos da VTEX e BRPartners.

Essa estratégia ainda pode ser cara caso a sua plataforma não disponibilize automaticamente integração com outras lojas. Você deverá investir muito dinheiro e esforço para integrar outras lojas a sua.

8. Novos meios de pagamento

Quanto maior for a facilidade oferecida aos clientes na conclusão a compra, melhor será para a sua loja. Uma das maneiras de promover essa conveniência é a ampliação dos meios de pagamento.

Soluções como o mobile payment, carteiras digitais (Samsung Pay, Apple Pay, etc.), bitcoins, tokens e cartões pré-pagos são algumas das tendências que podem se consolidar ao longo de 2017.

Adotar essa variedade é importante para atender clientes com as mais diversas preferências.

9. Novos meios de entrega

Em relação às novidades nos meios de entrega, ainda não estamos nos referindo aos drones e aos carros sem motorista (essas são tendências que ficarão para um futuro não muito distante). O que podemos destacar, já para 2017, é o serviço de entregas do Uber.

O aplicativo também chegou no mercado de entregas. Aqui no Brasil, o primeiro segmento atendido pelo serviço foi o de delivery de comidas. O nome dessa modalidade é o UberEats, que põe seus motoboys e motoristas cadastrados à disposição de restaurantes e lanchonetes.

Outro serviço do Uber, que já faz sucesso nos EUA, é o UberRush. Nesse sistema, as demais lojas do varejo podem agilizar o tempo de entrega de seus produtos aos clientes.

A expectativa é que esses serviços sejam ampliados tanto geograficamente quanto para os tipos de empresas atendidas, como os e-commerces.

10. Omnichannel

O Omnichannel busca trazer, para o consumidor, uma experiência única e de qualidade nos diversos canais de relacionamento e vendas da empresa.

O objetivo é acompanhar o comportamento de um cliente que interage com sua loja pelo site, aplicativo, redes sociais ou até mesmo nos canais físicos (se existirem). A sincronização de preços e estoque e a retirada de compras feitas na loja virtual em estabelecimento físico são exemplos de aplicação do conceito de Omnichannel.

Entre as muitas tendências para e-commerce, as principais apontam para a adoção de novas metodologias e tecnologias, o foco nos dispositivos móveis e as integrações com outras lojas virtuais. Isso significa que as empresas terão que trabalhar em diversas frentes se quiserem manter um bom ritmo de crescimento para 2017.

De início, tais mudanças podem até exigir um esforço financeiro extra, mas, em compensação, elas poderão melhorar a operação e os resultados do seu e-commerce.

Fonte: blog.vtex.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Fique a frente da concorrência.

Venda online para todo o Brasil!

Receba as últimas ideias sobre comércio eletrônico.